banner abril verde

Artigos por

Eliezir Viterbino

Artigos por

Leandro Peres Loureiro de Oliveira

Artigos por

Wilker Anderson Silva Moraes

Artigos por

Junior Cezar Vidotti

Artigos por

Marcos Augusto da Silva

Artigos por

Márcio de Oliveira Macedo

Artigos por

Eleandro Geres Rozan

Artigos por

Guilherme Coutinho de Souza

Artigos por

Victor Dantas Gomes

Artigos por

Wagner Dimas de Carvalho

Sobre o Autor

CNC mantém previsão de crescimento dos serviços em 2019, mesmo com queda nas receitas do setor em março

Apesar da queda de 0,7% no volume de receitas do setor de serviços, em março, na comparação com fevereiro, como demonstra a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, divulgada hoje (14/05), a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) segue apostando em uma reação do setor. A CNC revisou de +1,7% para +1,6% a projeção para os serviços ao fim de 2019, o que significaria o primeiro avanço anual do setor desde 2014.

O resultado da PMS no mês de março foi a terceira retração consecutiva no setor de serviços, acumulando uma perda de 0,6% no primeiro trimestre de 2019, em relação aos três meses anteriores, o pior resultado nesse tipo de comparação desde o segundo trimestre de 2017.

“Tivemos um trimestre com cautela nos investimentos por parte das empresas, ociosidade da capacidade instalada e mercado de trabalho fraco. Essa situação vem impedindo o avanço da economia e sugere elevada possibilidade de retração no PIB do início do ano. Mas a Confederação, observando os resultados dos últimos 12 meses e prevendo que a aprovação da reforma da Previdência vai destravar os investimentos, aposta na reação do setor de serviços, com crescimento real de receitas em 2019”, afirmou o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

Além dos serviços, os resultados fracos se repetiram em outros setores da economia no primeiro trimestre do ano. A indústria recuou 0,7%, e o comércio varejista teve leve alta de 0,3%, muito embora esse tenha sido o menor crescimento trimestral desde os três últimos meses de 2016.

Segmentos que se destacaram

O subsetor de transportes, termômetro relevante do nível de atividade econômica, foi destaque negativo neste primeiro trimestre, com perda de 2,6% ante o trimestre imediatamente anterior. Por outro lado, os serviços prestados às famílias apresentaram crescimento de 1,1% pelo quarto trimestre consecutivo.

Avanço anual

Na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, o volume de receita de serviços avançou 1,1% em média, os destaques foram, novamente, os serviços de transportes, com queda de 1,6%, e os serviços prestados às famílias, que cresceu 4,4%.

Em termos regionais, onze unidades da Federação cresceram na comparação com os três primeiros meses do ano passado, sobressaindo-se o Estado de São Paulo (+4,6%), enquanto as regiões Norte (-1,0%) e Nordeste (-1,9%) seguem apresentando retrações.